HOME | PROJETO | CIDADES | RADIO PAS | GALERIA | MURAL | NOTICIAS | EQUIPE | CONTATO

 

20 / 11 / 2017

 

 

 

N O T Í C I A S

 

 

 

Bacurau participa da corrida Rio 10k

 

Reportagem: Edimilson Camilo.09/11/2012

Prova será no dia 11 de novembro, no Aterro do Flamengo

Bacurauu um personagem que vem dando o que falar no Rio de Janeiro, criação do Fagundenses Francisco Silva, participará da corrida Rio 10k neste domingo, 11 de novembro. A corrida vai acontecer no Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro e conta com a participação de centenas de atletas nacionais e estrangeiros  Com o objetivo de divulgar a cultura nordestina, o personagem Bacurau vai participar da corrida nos primeiros 5 quilômetros.

Bacurau foi criado por Francisco Silva há mais de cinco anos. Desde então ele anima as noites cariocas nas ondas da rádio Carioca 103,3 FM, na zona oeste do Rio. Nas redes sociais ele já é bem conhecido com seu jeito simples de falar. O “mar minino” dele faz todos rirem logo ao falar com seus amigos, até mesmo os que não o conhece ficam surpresos com suas vestes e sotaque nordestino característico  Por onde Bacurau passa chama a atenção com seu carisma de bom nordestino vai conquistando seu espaço e divulgando suas origens.

“Bacurauu nasceu para levar alegria e manter viva as origens nordestina no sudeste brasileiro”, explica com orgulho seu criador, Francisco Silva. Francisco é natural da cidade de Fagundes interior da Paraíba. Atualmente ele é zelador de condomínio  profissão da qual se orgulha muito. Francisco também fundou o projeto PAsparaiba - Projeto a serviço da cultura nordestina no RJ. Ele se orgulha em falar do estado que nasceu e da cidade que lhe acolheu aonde tem milhares de nordestinos que necessitam de uma voz com sotaque nato igual ou semelhante ao bacurauu. Quando Bacurau e Francisco entram no ar nas ondas da radio Carioca FM o telefone não para de tocar. Bacurauu fala uma palavra e Francisco traduz a mesma. Por exemplo, Bica= Calha para colocar no telhado da casa.

Para mais informações sobre os projetos de Francisco Silva acessem www.pasparaiba.org. Sobre a corrida acessem www.10krio.com.br.

 

 

 

Personagem paraibano é destaque no Rio de Janeiro

10/set./2011

Reportagem:Rosangela Araújo

 

O Nordeste é considerado um celeiro do humor brasileiro e o reconhecimento da mídia levou à fama grandes talentos que hoje são referência no cenário nacional, a exemplo dos grandes mestres; Chico Anísio, Renato Aragão, Zé Lezim, Zé Carrapicho, Tom Cavalcante, Jessier Quirino, Tiririca, Chaulin, Falcão e outros.  Alguns desses artistas vivem em sua terra natal, outros vivem em estados como São Paulo e Rio de Janeiro.

 

Atualmente, na Zona Oeste do Rio, é fácil notar nos ônibus, no calçadão ou na comunidade um cidadão carismático, de aproximadamente 1,70 m, 45 anos, Seu visual inclui óculos, bigode grande, camisa de manga comprida, calca arregaçada, cinto e chapéu de couro e um fivelão. e sotaque do interior nordestino. Por onde ele passa chama atenção. Trata-se do personagem de nome Bacurauu, criado pelo paraibano Francisco Silva.

 

Francisco Silva, zelador no Jardim Oceânico, na Barra da Tijuca, natural da cidade de Fagundes (Agreste paraibano), há seis anos fundou o projeto Ação Solidaria por Amor a Paraíba (PASParaíba). Para divulgar o seu trabalho buscou espaço na rádio RP Notícias, em Rio das Pedras, Jacarepaguá. Lá, passou a apresentar o programa Estação Nordestina, retratando as belezas dos estados do Nordeste com o típico ‘forró pé-de-serra’ e para dar brilho à programação buscou em sua imaginação um personagem que pudesse representar a época em que viveu no interir da Paraíba. Criou então Bacurauu, o Bunitim, com a caracterização de um trabalhador rural semelhante a ele na década de 80, quando vivia na companhia de seus pais. Levou sua criação para o radio e hoje, saindo pelas ruas, é conhecido em toda comunidade de Rio das Pedras e áreas vizinhas. Bacaurauu também é um grande sucesso na internet e o nordestino diz que se identifica plenamente com o personagem.

 

Bacurauu é um típico personagem do interior nordestino, com característica de homem do campo. Por onde circula conquista as pessoas com o seu carisma. Quando encontram o Bacurauu, as pessoas não contêm os risos. A diversão é garantida. Tudo nele é engraçado: seu jeito de andar, vestir e falar. Muitos se identificam pelo sotaque regional. As crianças são as mais entusiasmadas com sua presença e correm em sua direção para receber carinho.

 

Sobre seu personagem, Francisco Silva fala: “fico feliz em poder colaborar com a minha cultura, em poder estreitar os laços culturais da nação nordestina. O cidadão sem cultura é uma planta sem raiz. Bacurauu leva alegria para seus ouvintes, abusando de bordões e diálogos engraçados”.

 

Para Gustavo Alves, 17 anos (morador da Gardênia Azul), presidente do fã-clube do Bacurauu, falar do personagem não é fácil. “Bacuaruu me encantou. Ele é um "Cabra" do Nordeste que e veio lá de Fagundes, na Paraíba, e com seus bordões complexos como "mar minino", "eita gota","tu rai" e "ta manganu deu?" segue com um jeito diferente de ser bagunceiro, brincalhão, e amigo, pois quando a gente conhece se encanta com o seu jeito engraçado”, revela.

 

“Ver o nordestino feliz é a minha alegria. Isto Bacurauu faz. Ele fala o dialeto nordestino e Francisco Silva traduz. Ambos mostram o valor da cultura do Nordeste”, enfatiza Cidinha Alves, locutora da Estação Nordestina. Suas frases com palavras de conhecimento único do homem rural nordestino tem sido cada vez mais imitado e divertido os ouvintes, a exemplo desta, costumeiramente citada pelo personagem: “Ôxente, mar minino estou aqui de bigu pra mostrar o quanto a minha terra é massa visse?!”.

 

Tradução:

BIGU - Carona, condução gratuita.

MASSA (GÍRIA) - Agradável, bacana, bom, bonito.

Ôxente - expressão de espanto ou surpresa.

 

www.pasparaiba.org

Bacurauu no youtube

http://www.youtube.com/watch?v=Z234FupI1do

http://www.youtube.com/watch?v=4jytYaeMR9U&feature=related

http://www.youtube.com/watch?v=rShlA32PC44

http://www.youtube.com/watch?v=xgLWKsDDTrQ

 

Migrantes unidos em projeto social

26/03/2007 Jornal da Tarde de São Paulo – SP

Reportagem: Por SAULO LUZ, saulo.luz@grupoestado.com.br

 

Paraibano reúne conterrâneos que, como ele, vivem no RJ

Quando um jovem paraibano de Aroeiras no Agreste desembarcou sozinho no Rio de Janeiro, teve a sensação de que estava perdido num lugar estranho. Francisco Pereira da Silva tinha 18 anos e deveria encontrar um parente na Rocinha, mas, como não conhecia a cidade, acabou parando na Barra da Tijuca. “Fiquei desesperado”, conta o rapaz. Já estava anoitecendo quando ele começou a bater de porta em porta à procura de serviço e local para passar a noite. “Já estava escuro, quando um ‘anjo’ apareceu. Essa pessoa me deixou trabalhar no seu restaurante e ainda me ofereceu um quarto para dormir na primeira noite na cidade”, conta Silva.

Dezesseis anos depois, o paraibano, agora porteiro de um condomínio na Barra da Tijuca, criou um projeto para ajudar outros migrantes paraibanos que, como ele, chegam à Cidade Maravilhosa atrás de uma oportunidade. Segundo ele, o objetivo do Projeto Ação Solidária por Amor à Paraíba (Pasparaíba) é unir a comunidade paraibana do Rio de Janeiro. “Em São Paulo existem colônias muito unidas, como japonesa, italiana. Com os paraibanos do Rio isso não acontece. E olha que é uma colônia imensa”, desabafa.

A idéia dele é promover a união ajudando uns aos outros, investindo no potencial das cidades natais dos participantes. “Além disso, como estamos longe da nossa terra, trazemos fotos e produtos culturais da Paraíba para matar a saudade”, diz Silva. Criada em 2005, a iniciativa vem crescendo e atraindo mais participantes. Atualmente, o projeto é mantido pela receita da coleta de lixo reciclável e das doações de moradores e porteiros da Barra da Tijuca. “Já tiramos mais de 20 toneladas de lixo das ruas do Rio de Janeiro”, comemora o idealizador.

Paraibanos recebem ajuda do RJ

Com o dinheiro de contribuições e da venda dos materiais coletados, o Pasparaíba já doou roupas, livros, brinquedos e até um computador para uma comunidade da Paraíba. “É bom saber que lembram da gente lá no Rio”, diz Nelson Gomes de Souza, presidente da Associação Comunitária do Assentamento Cachoeira Grande, no município de Aroeiras.

O projeto já ajudou também uma retirante a voltar para sua cidade natal. “Muitos que chegam querem voltar, mas não têm dinheiro para isso”, revela Francisco

 

 

Paraibano lança campanha no RJ: "Refletir a bicicleta é preservar a vida"

26/06/2011

Reportagem: Edimilson Camilo.

Francisco Silva, natural de Fagundes, interior da Paraíba, lança no próximo dia 29 de junho, no Rio de Janeiro a campanha: "Refletir a bicicleta é preservar a vida". A campanha será lançada na orla da Barra da Tijuca, a concentração acontece na Avenida Lucio Costa, às 9 horas da manhã com largada prevista para as 10 horas e vai percorrer dos postos 3 ao 8 da orla. O objetivo é chamar a atenção dos ciclistas para a importância de refletir suas bicicletas para que sejam vistos no transito e assim evitar maiores acidentes.

A campanha "Refletir a bicicleta é preservar a vida" é mais uma ação do projeto PASParaíba que é coordenado e idealizado por Francisco Silva em comemoração ao dia do Porteiro que será comemorado no dia 29 de junho, categoria da qual Francisco faz parte. "Já presenciei alguns acidentes graves envolvendo bicicletas. Vejo varios ciclistas indo e vindo para o trabalho de bicicleta que é um meio de conduçao mais barata, mas muitas das vezes sem segurança nehuma disputando espaço com os ônibus e carros, por isso resolvi buscar apoio junto a algumas lojas de bicicletas para realizar essa campanha de sinalização das para minimizar os acidentes e pôr em prática o que já garantido por lei", explica Francisco.

A campanha será realizada pelo projeto PASParaiba em parceria com o Sindicato dos Porteiros do Rio de Janeiro em comemoração ao dia do porteiro. Hoje a categoria tem cerca de 120 mil funcionario de edificil. O Sindicato da categoria através do seu presidente José Leodegario, natural da cidade de Bananeiras brejo paraibano, muito tem feito pela categoria. segundo ele, em breve será colocado em prática um sonho que é poder levar saúde aos funcionario de edificil atraves de um ônibus que pecorrerá a cidade e ficará estacionado em praças com médicos para atender os funcionarios e seus dependentes.

A bicicleta no RJ

A cidade do Rio de Janeiro tem hoje a maior malha cicloviária do País e a segunda da América Latina, com 140 km de extensão, abrangendo todas as regiões do Município (centro, zonas sul, norte e oeste).

As "Ciclovias Cariocas", criadas em agosto de 1993, tem como principal objetivo viabilizar o uso da bicicleta para deslocamentos de pequenas e médias distâncias na cidade. Estima-se que existam no Rio de Janeiro cerca de três milhões de bicicletas, mais que o dobro da frota de automóveis.

Faz também parte do conjunto de programas da Secretaria Municipal de Meio Ambiente voltados para a melhoria da qualidade do ar enquanto meio de transporte não poluente e saudável.

As rotas cicloviárias permitem a ligação entre os centros de bairro e a conexão com os meios de transporte de massa.

A implantação dos sistemas cicloviários compreende a implantação das ciclovias, ciclofaixas, faixas compartilhadas, bicicletários, sinalização adequada e a elaboração de normas, regras e campanhas educativas para a utilização segura deste veículo não motorizado no sistema de transporte.

Mesmo com todo esse aparato, o setor ainda é carente de campanhas voltadas para a segurança do ciclista, por isso o projeto PASParaíba estar promovendo a campanha: "Refletir a bicicleta é preservar a vida".

Dicas para uma pedalada mais segura:

  • Use roupas claras. Usar roupas escuras à noite para pedalar é camuflar-se na escuridão. A ordem é ficar o mais visível possível.
  • A lei obriga a usar refletores na dianteira, traseira e laterais da bike. Se você é prudente, vale a pena colocar também adesivos refletivos extras em seu capacete. Em caso de queda seguida de desmaio, os refletores tornam o ciclista bem mais visível no chão.
  • Existem faixas refletivas que podem ser colocadas nos braços e pernas por meio de velcro. Essas faixas são muito baratas e podem ser encontradas nas boas bike shops e fazem você ser visto pelos motoristas mais facilmente.
  • Para aumentar ainda mais a segurança, adquira uma lanterna vermelha para a parte traseira da bike. Custam entre R$ 15 e R$ 50. Para a parte dianteira da bike uma lanterna com luz branca, ainda que não ilumine satisfatoriamente a rua, torna você muito mais visível e evita que pedestres ou carros cruzem seu caminho.
  • De noite o risco de você não ser visto por um automóvel ou pedestre é grande, por isso transite em velocidade mais baixa e redobre a atenção nos cruzamentos e próximo a lugares com grande concentração de pedestres. Velocidade baixa também vai evitar que você caia em algum buraco escondido na escuridão.
  • Como nas pedaladas diurnas, procure transitar por ruas de menor movimento de veículos.
  • Pedalar em grupos ainda é a melhor solução para afastar os amigos do alheio. Ladrões são caçadores, e caçadores procuram por presas fáceis. Permanecer em grupo além de mais divertido é mais seguro.
  • Ao pedalar em grupo, evite ocupar uma faixa inteira do trânsito, pois isso pode irritar os motoristas. Pedalar em fila e à direita é o que manda a lei.
  • Óculos com lentes amarelas ajudam na visão noturna e diminuem o ofuscamento.
  • Nas noites de sexta-feira e sábado, tome cuidado especial próximo à casas noturnas. Motoristas alcoolizados atropelam primeiro e se desculpam depois. Cuidado com eles.

A bicicleta e a lei

O novo Código de Trânsito Brasileiro, inclui várias disposições relativas às bicicletas, que interessam a todos : ciclistas, motoristas e pedestres.

- Veículos dão passagem a ciclistas: Art. 38, parágrafo único: Durante a manobra de mudança de direção, o condutor deverá ceder passagem a pedestres e ciclistas.

- Bicicletas têm preferência: Art. 58 - nas vias urbanas e nas rurais de pista dupla, a circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa ou acostamento, ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento, no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via, com preferência sobre os veículos automotores.

- Bicicletas nas calçadas só com autorização: Art. 59 - desde que autorizado e devidamente sinalizado pelo órgão ou entidade com circunscrição sobre a via, será permitida a circulação de bicicletas nos passeios.

Art. 255 (Das infrações) - Conduzir bicicleta em passeios onde não seja permitida a circulação desta, ou de forma agressiva, em desacordo com o disposto no parágrafo único do art. 59 - Infração média, penalidade: multa, medida administrativa: remoção da bicicleta, mediante recibo para o pagamento da multa.

- Ciclista empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre:
Art. 68, parágrafo primeiro - O ciclista desmontado empurrando a bicicleta equipara-se ao pedestre em direitos e deveres.

- A bicicleta é um veículo : Art. 96 - Quanto à tração: c) de propulsão humana; II - quanto à espécie; a) de passageiros.

- É proibido estacionar na ciclovia: Art. 181 (Das infrações) - Estacionar o veículo: VII - no passeio ou sobre faixa destinada a pedestre, sobre ciclovia ou ciclofaixa, bem como nas ilhas, refúgios, ao lado ou sobre canteiros centrais, divisores de pista de rolamento, marcas de canalização, gramados ou jardim público. Infração grave, penalidade: multa, medida administrativa: remoção do veículo.

- Desrespeitar distância mínima do ciclista: Art. 201 (das infrações) - Deixar de guardar a distância lateral de um metro e cinquenta centímetros ao passar ou ultrapassar bicicleta - Infração média, penalidade: multa.

- Condução perigosa: (das infrações) Conduzir: Art. 244, Inciso III - fazendo malabarismo ou equilibrando-se apenas em uma roda; VII - sem segurar o guidom com ambas as mãos, salvo eventualmente para indicação de manobras; VIII - transportando carga incompatível com suas especificações.

Parágrafo 1º - Para ciclos aplica-se o disposto nos incisos III, VII e VIII, além de: a) conduzir passageiro fora da garupa ou do assento especial a ele destinado; b) transitar em vias de trânsito rápido ou rodovias, salvo onde houver acostamento ou faixas de rolamento próprias; c) transportar crianças que não tenham, nas circunstâncias, condições de cuidar de sua própria segurança. Art. 247 - Deixar de conduzir pelo bordo da pista de rolamento, em fila única, os veículos de tração ou propulsão humana e os de tração animal, sempre que não houver acostamento ou faixa a eles destinados - Infração média, penalidade: multa.

- Equipamentos obrigatórios nas bicicletas: Art. 105. Campainha, sinalização noturna dianteira, traseira, lateral e nos pedais e retrovisor do lado esquerdo.

Se você é amante da "magrela", venha participar dessa campanha em prol da vida, a final: "Refletir a bicicleta é preservar a vida"

Mais informações no site www.pasparaiba.org ou pelo e-mail: pasparaiba@hotmail.com. 
 

Um pedaço da Paraíba no Rio

Jornal o Globo 05/05/2011

Repórter Amanda Moura

Foto: Paulo Nicolella

Francisco da Silva, de 43 anos, zelador do prédio Portal da Barra, no Jardim Oceânico, saiu há 24 anos da pequena Fagundes, cidade paraibana com cerca de 12 mil habitantes, e veio para o Rio de Janeiro atrás do sonho de grande parte dos nordestinos: fazer a vida no Sudeste. Apesar das dificuldades, não desanimou. E decidiu criar o Projeto Ação Solidária por Amor à Paraíba (PasParaíba), que busca manter os laços dos seus conterrâneos com a região, melhorar a imagem do Nordeste e organizar ações em prol da natureza como o Arrastão Solidário da Limpeza e da Preservação do Meio Ambiente, que ocorreu no fim de abril. O evento, na Praia da Barra, mobilizou 45 voluntários, que recolheram resíduos para serem reciclados.

O GLOBO-Barra: Por que você se mudou para o Rio?

Francisco da Silva: Eu me mudei em 1987, porque na minha cidade não tinha recursos nem para estudar. E quase todo jovem nordestino quer migrar para o Sudeste. Vi amigos tomando esse caminho e resolvi arriscar.

E os seus planos se concretizaram por aqui?

Francisco: Sim. Em 1992, cheguei a voltar para minha terra, devido ao falecimento do meu pai. Quando voltei, fiquei seis meses desempregado. Mas, em 1993, comecei a trabalhar no prédio em que estou até hoje.

E o seu projeto, PasParaíba, como começou?

Francisco: Em 1998, resolvi retomar meus estudos, já que mal sabia ler. Numa aula de geografia, o professor só destacava os pontos negativos do Nordeste. Resolvi que as pessoas conheceriam minha terra através do olhar de quem realmente a conhece, e criei o PasParaíba, em 2005.

E os seus estudos?

Francisco: Terminei o ensino médio em 2007 e fiz cursos livres de turismo cultural e locução. Tenho um programa na rádio comunitária de Rio das Pedras, no qual divulgo a cultura nordestina. E pretendo, um dia, cursar a faculdade de Jornalismo.

Qual foi a primeira ação do seu projeto?

Francisco: Eu tinha um Fusca e com ele coletava lixo reciclável nos condomínios da Barra. Depois, levava para um galpão na Barrinha. Com o dinheiro arrecadado, eu buscava contribuir com as comunidades carentes da região. Até hoje, todo o dinheiro arrecadado com reciclagem é para ajudar comunidades daqui e da minha terra.

E você pretende um dia voltar para a Paraíba?

Francisco: Não. O Rio foi a terra que me acolheu e eu mantenho total vínculo com o meu estado. Acredito que minha missão é manter a minha cultura de origem nesta cidade.

Você chegou a sofrer preconceito em terras cariocas?

Francisco: Sim, infelizmente. Mas este tipo de atitude é de uma parcela minoritária do povo daqui. De qualquer forma, é muito triste ver a palavra "paraíba" sendo usada de maneira pejorativa. Meu trabalho também serve como combate contra este tipo de postura.

Qual o próximo passo do projeto?

Francisco: Pretendemos organizar, em 29 de junho, Dia do Porteiro, um passeio de bicicleta, durante o qual recolheremos resíduos para reciclagem.

E como é o perfil do público que participa dos eventos?

Francisco: É bastante heterogêneo. Meus colegas porteiros e zeladores estão sempre comigo, mas muitos moradores do prédio em que trabalho e também dos arredores se unem à minha causa. Tenho cerca de 40 bravos parceiros.

 

 

22/03/2011 às 13:55

Fagundense promove dia de educação ambiental no RJ

 

O fagundense, Francisco Silva, idealizador do projeto PASParaíba, promove no dia 22 de abril mais um dia de educação ambiental na orla da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro.
A mobilização vai se estender durante todo o dia e será realizada dos postos 2 até o posto 8. O objetivo é difundir a idéia de um futuro melhor e sustentável para as futuras gerações. “Separaremos o lixo nesse trecho da praia da Barra da Tijuca, o que for reciclável aproveitaremos para vender em pró do projeto PASParaíba. O que não for aproveitável daremos o destino correto”, explica Francisco Silva.
Todos os que forem simpáticos a causa ambiental estão sendo convidados a participarem dessa mobilização. Mais informações pelos telefones 24914360/91172400 com Francisco silva.
Programa Estação Nordestina
O Programa Estação Nordestina, que uma das ações do projeto PASParaíba, volta ao ar pela Radio RP Noticias de Rio das Pedras, 98,7 FM, na próxima segunda-feira, 28, das 20 as 22 horas. Apresentação Francisco Silva, Cidinha Alves, Bacurau e Gustavinho. Você também pode ouvir o programa pela internet através dos sites: www.pasparaiba.org, www.estacaonordestina.com, www.radiorpnoticias.com
 
Reportagem: Edimilson Camilo

 

MEU SÃO JOÃO DO CARIRÍ

 

BOB MOTTA

POESIA MATUTA

 

AI QUI SAUDOSO MOMENTO

ME FAIZ LEMBRÁ HOJE AQUI

MEU SÃO JOÃO DO CARIRÍ

E AIS PEGA DE JUMENTO.

GIBÃO BALANÇANDO AO VENTO,

A CAATINGUÊRA QUEBRANDO,

JUREMA PRÊTA ISTRALANDO,

E NO FINÁ DO CÉICADO,

JUMENTO BRABO, AMARRADO;

E UIS CABRA COMEMORANDO...

 

 

15 /01/2011 Ação Solidária em missão de resgate
 DIARIO DE PERNAMBUCO
Reportagem Bastos Farias

A organização não-governamental Pas Paraíba (projeto ação solidária por amor a Paraíba) vai ajudar a localizar paraibanos que tenham sido vítimas das enchentes ocorridas na região serrana. O presidente da entidade, Francisco Silva, acredita que muitos paraibanos podem ter sido atingidos precisam de ajuda. ´Ontem (anteontem) ouvi uma pessoa tentando mandar um recado à família na Paraíba para dizer que está bem`, disse Francisco, natural de Fagundes, a poucos quilômetros de Campina Grande, interior paraibano.

Francisco, que mora em Rio das Pedras e trabalha como porteiro num edifício na Barra da Tijuca, diz que membros da ONG vão amanhã à região serrana, para levar mantimentos e roupas às pessoas. Duas famílias paraibanas enfrentam problemas por conta da tragédia. Edilane Cardoso, 25, que morava com o marido Ivan Diniz, tratador de cavalos em Itaipava, na área da enchente, morreu. Ivan está internado. A filha do casal, Gabriele Cardoso, de 5 anos, faleceu.

O aposentado Luciano Silva está preocupado com o sumiço da filha Luziana de Souza, do genro EdvaldoSouza e de duas filhas do casal. Eles se mudaram para Petrópolis há anos. Ele não sabe se os parentes estão vivos. A instituição atua na divulgação da cultura junto às famílias. Para fazer contato, basta ligar para (21) 9117-2400. (Bastos Farias)

 

17/01/2011 ONG PASParaíba busca por paraibanos afetados pelas chuvas no RJ

O mau tempo impediu o fagundense Francisco Silva, presidente da Organização Não Governamental (ONG) PASParaíba, de sobrevoar a área afetada pela tragédia das chuvas no Rio de Janeiro. Francisco Silva pretendia sobrevoar a região serrana, especialmente em Petrópolis, no intuito de localizar paraibanos afetados com o desastre.

A intenção dele era fotografar as áreas onde provavelmente os paraibanos estão desabrigados ou até mortos, e fazer uma radiografia do cenário de destruição, mais o tempo não ajudou. Segundo ele, a Defesa Civil desaconselhou o paraibano a realizar o vôo, visto que o tempo estava instável e, consequentemente, inadequado para qualquer espécie de vôo.

A maior tragédia natural da história do Brasil pode ter afetado dezenas de paraibanos, conforme alertou Francisco Silva. Há quase uma semana ele luta para tentar identificar os paraibanos atingidos pelas enchentes. No domingo, dia 16, Francisco Silva disse que manteve contato com um paraibano que mora próximo da região mais castigada pela chuva. "Ele disse que tem muitos paraibanos afetados com as enchentes. Uma situação dramática", contou.

O presidente da ONG, que é natural de Fagundes, mora a 25 anos no Rio de Janeiro e está liderando um grupo que tem realizado um trabalho de ajuda humanitária as vítimas da catástrofe. Ele tem arrecadado donativos para serem destinados aos desabrigados e desalojados. No final da manhã de ontem, ele entregou ao Batalhão da Polícia Militar uma grande quantidade de alimentos arrecadados.

Francisco Silva revelou que nunca havia assistido uma tragédia como a que sacudiu o Rio de Janeiro nos últimos dias. O cenário, segundo ele, é de total destruição. As imagens, de acordo com os seus relatos, são de impressionar. Casas destruídas, estradas e prédios arrasados. Francisco ainda não tem a real noção da quantidade de paraibanos que podem estar entre as vítimas. "Eu pedi a Defesa Civil para tentar identificar logo a origem das vítimas, mas está muito difícil", revelou por telefone.

A ONG PASParaíba já ajudou muito paraibanos vitimas de desastres naturais e no Rio de Janeiro. Há alguns anos um incêndio destruiu centenas de Barracos na Comunidade Rio das Pedras, Francisco Silva, juntamente com os colaboradores da ONG ajudaram os paraibanos e outros que precisavam de ajuda. A ONG também já ajudou vários paraibanos a regressarem a sua terra natal.

Reportagem: JF com DB Online

 

15/11/2010 APROVADO: Projeto de lei que oficializa o Hino de Fagundes

 

Foi apresentado na última sexta-feira, 12, às 19h30min, na Câmara Municipal de Fagundes, um projeto de lei de autoria da vereadora Ana Paula Martins que torna oficial o Hino de Fagundes, de autoria do fagundense Francisco Silva.

O projeto de lei que torna o hino oficial foi aprovado por unanimidade pelos vereadores presentes. Estão presentes os vereadores: Cocó, Luiz Antonio, João Batista, Deca Ribeiro, Daniel, Miro, José de Adolfo e Ana Paula. Agora só depende da assinatura do prefeito municipal Gilberto Dantas para tornar definitivamente oficial o Hino de Fagundes.

De acordo com a vereadora Ana Paula, “tal propositura só enriquece a nossa história e a nossa cultura”. Após a aprovação do projeto todas as repartições públicas do município serão obrigadas a executar o Hino de Fagundes em seus eventos oficiais. 
Também esteve presente ao evento o personagem (Bacurau) que fez uma bela apresentação divertindo o público presente. Os presentes puderam conhecer o hino numa apresentação em vídeo.

Hino á cidade de Fagundes
Francisco Silva /Evandro Eufrásio

No agreste paraibano tua flâmula está fincada.
Teus campos, vales e serra, de verdes vestidas;
Teu céu azul e sol brilhante ou noites enluaradas
Com auras de luz a derramar-se no monte!

Tuas colinas abundantes de frutas e nascentes;
Sacia a sede e a fome do vivente.
Com meu labor, teu porvir segue em frente.
O camponês prepara o solo pra semear a sementes.
E agradece de joelhos ao Deus onipotente.

Ó!  Terra adorada, cidade de encantos mil!
Cidade de ilustres varões;
De povo hospitaleiro e nação varonil.
Cidade independente de bardos e canções;
Entre outras mil, és Fagundes mãe gentil!
Terra simples, pedacinho do Brasil...

Na mente do teu povo, tua história está presente!
Revolta dos quebra quilos, herança de Índios valentes,
No cume bodopitá tua matação existente,
É a Pedra de Santo Antônio: o marco de nossa gente.
Local de meditação e beleza resplandecente.

Ó cidade Fagundes! Serás eterna e sem fim...
Por onde quer que eu ande, te levarei dentro de mim!

Reportagem: Edimilson Camilo

 

11/08/2009 Saudade da terra natal

Por Jornalista Edmilson Camilo

O nordeste é formado por nove estados, Piauí, Maranhão, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas e Bahia. Cada um desses estados com suas maravilhas. Do litoral ao agreste e sertão, tem belezas encantadoras, turismo regional, e acima de tudo um povo hospitaleiro. A Paraíba é conhecida por ter a capital mais verde das Américas, o maior são João do mundo, o maior pólo tecnológico de informática do Brasil, a Pedra de Santo Antonio, as Pegadas dos Dinossauros, a Roliude Nordestina. Paraíba, estado onde o sol nasce primeiro! 

Para enriquecer cada vez mais o nordeste com divulgação, o idealizador do projeto PASParaiba, Francisco Silva , Nato de Fagundes – PB, juntou-se com outros paraibanos, J. Gonçalo, natural da cidade de Ingá – PB, João Barbosa, natural de Fagundes, Antonia Barbosa de Queimadas –PB e Luis Jampa, criaram a 3 anos o Programa Estação Nordestina que vai ao ar pela RP Noticia 98,7, Radio Comunitária Educativa, da Comunidade de Rio das Pedras, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

O programa estação nordestina é de grande importância para os conterrâneos nordestinos que deixaram sua terra e hoje vivem no sudeste, é um programa de representatividade cultural, que vai ao ar, todos aos Sábados de 12hs às 14hs com informação da Paraíba. Estação Nordestina apresenta o que há de melhor na Paraíba, musicas típicas, e participação do ouvinte, assim o ouvinte resgata a sua cultura, e mata saudade da terra natal.   

O Programa Estação Nordestina tem grande audiência, pois só na Comunidade Rio das Pedras têm cerca de 60 mil habilitantes, 40% deles são paraibanos. Em 9 de fevereiro de 2006 em parceria com o centro social da radio, ajudou a devolver a suas origens, a paraibana, Cristina Marques dos Santos natural da cidade de Aroeiras – PB. Em 17 de janeiro de 2009 fez uma campanha para ajudar a paraibana Jardilina de Souza lima junto com seus netos (os gêmeos, Rodrigo e Rogério, de 11 anos) a retornaram para a cidade de Bayeux. 

Antonio Gonçalves da Silva, 30 anos, natural da cidade de Timbauba –PE, radicalizado no Rio de Janeiro, vocalista da banda Os Meninos do Forró, há dois anos ele foram ao programa acompanhado do tecladista Junior da cidade de Dona Inês –PB, Jose Ivanilde, natural de Mogeiro - PB e DJ Celson, natural de Alagoa Grande – PB. a apresentação da banda no Estação Nordestina  foi o primeiro passo da decolagem para o sucesso de uma banda que surgiu de uma simples brincadeira de criança, brincar de cantar.

Hoje já tem seguidores e admiradores. O paraibano Donato Silva  -  vocalista da Banda - é conhecido por ser brincalhão humilde e extrovertido seu nome artístico já vem de berço é chamado carinhosamente de Tony, não há tempo ruim para ele, sempre estar de bom humor – “adoro cantar, com a musica levo alegria e consigo ficar mais pertos de minhas origens”, explica Tony  

Todos da banda têm a satisfação de falar do PASParaiba  por abrir as portas para eles. hoje fazem shows em diversas casas noturnas do Rio de Naneiro. Seu segundo CD já estar no forno, o repertorio vem recheado do típico forró-pé- de serra, arrocha, sertanejo e brega.  Fazem abertura para bandas famosas, como Gatinha Manhosa, Rasta Chinela e Ton Oliveira. O coordenador do PASParaiba sente-se muito feliz por ter colaborado para o sucesso dos Meninos do Forro. 

Vendo a necessidade, de ser divulgado cada vez mais o nordeste, Francisco Silva buscou parceria com a rádio RP NOTICIA e ampliou o horário. O nome continua sendo o mesmo, sendo de segunda a sexta das 20hs às 22hs. O programa estreou no dia 03 de Agosto de 2009. Agora com mais espaço para noticias, musicas, entrevistas com artista da terra, e participação do ouvinte.

 

 

 31/07/2009 Por amor à Paraíba

Reportagem: Dayse Alves

Como tantos porteiros que trabalham em edifícios cariocas, Francisco Pereira Silva veio para o Rio convidado por um conterrâneo já com emprego garantido, em seu caso, em um hotel. Depois de algum tempo, conheceu uma pessoa especial, hoje sua esposa, e foi buscar outro local onde pudesse morar com ela. Assim, tornou-se zelador no condomínio Farol da Barra, na Barra da Tijuca, há 15 anos.
    
O diferencial de Francisco é que ele resolveu contribuir para a melhoria da qualidade de vida de paraibanos, no Rio e na Paraíba. Ele escreveu e registrou o projeto PASParaíba (Projeto Ação Solidária Por Amor à Paraíba) para representar legalmente os paraibanos e convocou nordestinos para integrar a causa. O PASParaíba tem o objetivo de divulgar a cultura e a tradição paraibana e defender o meio ambiente nos dois estados. “A formação de cooperativas de catadores tem representado a possibilidade de uma vida mais digna para pessoas que, sem trabalho, recorrem aos lixões, vivendo de forma perigosa e insalubre”, justifica. Porteiros de todo o estado do Rio e moradores da Comunidade Rio das Pedras são seus maiores aliados.
    
Para a divulgação de tudo isto, ele montou o site www.pasparaiba.org e mantém um programa de rádio comunitária de Rio das Pedras na zona oeste do Rio de Janeiro (FM 90,9). Por estes meios, coleta donativos e busca apoio para quem quer voltar para a terra natal e para os que permanecer aqui. “Quando a pessoa migra, o faz em busca de melhores condições de ensino, de capacitação, de trabalho e de renda, porque isto falta em sua terra. Eu vim assim e foi difícil nos primeiros tempos. Meu sonho é mudar isso. Que as pessoas tenham o direito a uma vida digna em sua terra ou em qualquer lugar onde decidam morar”, diz.
   
Ele conta que, quando saiu do primeiro emprego no Rio, chegou a passar necessidade, pois ficou quatro meses batendo na porta de agências de emprego sem conseguir uma oportunidade. Foi preciso, mais uma vez, a intervenção de um amigo para conseguir uma vaga. Emprego que permitiu começar a realizar seu sonho. Retomou os estudos, fez o ensino fundamental e o médio e cursou turismo cultural e radiojornalismo. Autodidata, aprendeu ainda, por conta própria, a fazer sites  “Chegaram a me cobrar 800 reais para fazer o www.pasparaiba.org, quando o meu salário é pouco mais de metade disso. Não tive outro jeito”, explica.
    
O site surgiu para divulgar suas idéias e mostrar ao mundo que é possível realizar. “Acredito que, na vida, você só precisa querer”, afirma. Para ter uma noção de sua força de vontade, ele reuniu mais de uma tonelada e meia de donativos, entre roupas, calçados e alimentos não perecíveis, para mandar para os atingidos pelas enchentes que aconteceram em sua terra nos últimos meses. Agora está buscando recursos para levar tudo isso.
     
Já a rádio representa um meio para chegar até as pessoas “que, por vezes, precisam apenas de uma palavra”, diz. Mas é através de seu programa – no ar todo sábado, das 12 às 14 horas, com muito serviço e cultura nordestina, música e informação – que consegue falar diretamente com as cidades da Paraíba e intermediar a retomada de contato entre familiares separados pela migração. Ele também contribui para quebrar preconceitos. “É preciso mostrar que a Paraíba não é só sequidão e pobreza. Quero mostrar a cultura e as tradições da minha terra, colocando em contato não só os paraibanos com o seu lugar de origem, mas também permitindo que pessoas de outros lugares possam conhecer as riquezas e as belezas culturais do Estado da Paraíba”, diz.
     
Empreendedor, Francisco já foi candidato a vereador na sua terra, o município de Fagundes, mas desencantou-se com o mundo da política e diz que descobriu que pode fazer mais ficando fora disto: “Na política você tem que tomar um partido, um lado ou o outro. Com a rádio, através da internet, chego a amigos, políticos do mesmo partido ou adversários, a todo mundo. E com uma posição neutra”. acrescenta. O contato com as rádios de lá permite buscar a Secretaria de Apoio Social das cidades e fazer campanha entre seus moradores para ajudar a quem quer voltar para casa e não dispõe de recursos. “A rádio é um meio poderoso de mobilização, é uma outra forma de contribuir”.
     
No condomínio, dedicação é igual

Para uma das conselheiras do Condomínio Farol da Barra, Isabel Cristina Duarte Guimarães, Francisco é uma pessoa impressionante. “É profissional de confiança, solícito, que entende de tudo, não falta e nos ajuda muito. Tem este trabalho maravilhoso, realizado apenas nas horas vagas – e ele trabalha o dia inteiro aqui. Não pensa nele, não pede nada para ele, é tudo para as pessoas de sua terra. Não conheço ninguém igual”, elogia a conselheira, acrescentando que foi Francisco quem implantou a coleta seletiva no condomínio, orientando os moradores para os cuidados na separação e no descarte do lixo e conquistando a adesão de todos.
   
“Nunca misturei as coisas, mas os moradores sabem do meu trabalho depois do expediente e me ajudam. São pessoas muito boas”, devolve o zelador, único funcionário do prédio de três andares e cinco apartamentos. Ao longo dos 15 anos no prédio, Francisco adquiriu um conhecimento tal que qualquer barulho diferente lhe tira de casa para ver o que está acontecendo com a bomba d'água ou com a lâmpada de um corredor. A atenção que dedica ao trabalho não é diferente da dispensada a seus conterrâneos. “Além de meu trabalho, este lugar também é minha casa, onde fui acolhido e tenho apoio. Não poderia ser diferente”, afirma. Francisco mora com a mulher, Maria de Fátima, e o filho Cássio. O filho participa como voluntário em ações para a coleta de recicláveis e tem grande interesse pela questão ambiental, o que enche o pai de orgulho.
    
O zelador é só elogios à profissão que adotou. “Gosto, pois você trabalha num ambiente em que é respeitado, que tem um papel e uma função, ao mesmo tempo um lugar para se dedicar e uma base segura e tranqüila de onde se lançar em busca de seus sonhos”, defende. O que mais gosta é de atender às pessoas, perceber que as a agrada. Francisco faz de tudo no condomínio: conserta portão, interfone, bomba, instalações hidráulicas e elétricas. “Eles me pagam por isso e me sinto gratificado por saber que posso ajudar e, ainda, por meu esforço acrescentar uma renda a mais a meu salário”, conclui.

Apoio para a entrega dos donativos

Francisco está em busca de apoio para levar os donativos que conseguiu levantar para a Paraíba. São cobrados R$ 35,00 por volume, para o transporte por via terrestre. Quem tiver interesse em ajudar, entre em contato através do site
www.pasparaiba.org.

 

PASParaíba INFORMA: Foram arrecadados 1.600kg de donativos, entre roupas, calçados e alimentos não perecíveis, os donativos foram transportados do Rio de Janeiro a Campina Grande pela aeronave da FAB (Força Aérea Brasileira), ficando transporte terrestre por conta do PASParaíba. Os donativos foram distribuídos, nas cidades de Campina Grande, Cabaceiras, Queimadas, Fagundes e São João do Rio do Peixe sertão paraibano.

 -          Deixo aqui o nosso agradecimento, a todos que colaboraram com a arrecadação dos donativos, e a FAB por ter nos ajudado em transportar ao destino final.

  Fonte: Matéria divulgada pela Revista lowndes em 27 de julho de 2008

 

 

 

30/07/2009  EXEMPLO A SER SEGUIDO

 

Nesses tempos marcados por comportamentos egoístas, o exemplo de Francisco Silva, um paraibano de Fagundes, há 20 anos radicalizado no Rio de Janeiro, merece ser seguido por muita gente ainda refratária a gesto de solidariedade. Com emprego fixo naquele estado do sudeste, Silva pode cuidar da sua e da vida de seus familiares.

 

Mas ele fez muito mais nessas duas décadas morando na cidade maravilhosa. Juntou-se a um grupo de paraibanos para fundar a organização não governamental “projeto ação solidária por amor a Paraíba”. De acordo com Francisco Silva, a ONG tem como objetivo, mostrar as belezas da Paraíba; estreitar os laços de paraibanos que estão distantes; projetar uma imagem positiva para atrair turistas ao Estado e amparar os conterrâneos que estejam passando por dificuldades.

 

Existente há cinco anos, o projeto PASParaíba recebe colaborações em forma de alimentos não perecíveis, roupas e causados, de pessoas físicas e jurídicas e aceita parcerias com prefeituras paraibanas. A ONG que fica em Guaratiba zona oeste do Rio de Janeiro, já mantém este site, um programa de rádio na comunidade de Rio das Pedras, a comunidade que tem 60 mil habitantes, 40% é de paraibanos. No programa é apresenta noticias do nordeste destacando a Paraíba, o ouvinte participa ao vivo, muito forro pé-de-serra. Em breve estar lançando um jornal para mostrar as potencialidades do litoral e do interior paraibanos.

 

Alem da divulgação do que existe de bom na Paraíba, o Projeto busca o resgate da cultura e da linguagem regionais das pessoas que migram do nordeste para o sudeste.

No que tange ao amparo ás pessoas carentes, a ONG também aceita apoio para ajudar os paraibanos que pretendem retornar à sua terra natal. Um exemplo, sem duvida, a ser seguido.

Repórter: Francisco José

Fonte: Jornal Correio da paraiba (publicado em 06.03.2009 e reproduzido para o site)

 


10.03.2009 - PASParaiba traz família de volta ao Estado, com ajuda das prefeituras de Bayeux e Fagundes

Depois de uma longa viagem, em companhia de três netos (os gêmeos, Rodrigo e Rogério, de 11 anos, e o irmão Robson de Souza Santos), a dona de casa Jardilina de Souza lima, desembarcou, num clima de comoção, no Terminal Rodoviário de João Pessoa, na Paraíba, retornando do Rio de Janeiro, com a ajuda do Projeto Ação Solidária por Amor à Paraíba (PASParaíba). Para conseguir as passagens da mulher, integrantes da ONG fizeram campanha de arrecadação de fundos, pedindo a pessoas conhecidas e à população carioca, nas ruas da Cidade Maravilhosa.
Três passagens (de Jardilina e dos gêmeos) foram doadas pela entidade. A do neto, Robson, disse a dona de casa, foi comprada com a ajuda dos parentes dela. Sobre a ajuda da instituição, dona Jardilina disse que não tinha palavras para agradecer a esse gesto de amor ao próximo. “Fui ao Rio cuidar de uns assuntos de família. Minha filha morreu há nove anos, e até então, meus netos haviam ficado meio ‘jogados’. Resolvi viajar e trazê-los de volta, mas me deparei com uma situação nada fácil”, relatou.
Sem dinheiro, a mulher peregrinou de casa em casa buscando ajuda de pessoas conhecidas, mas sem muito êxito. Até que soube da ONG e procurou Francisco Silva, o coordenador, na rádio RP Noticias Comunitária Educativa, 90,9 FM, no Rio das Pedras - zona oeste do Rio de Janeiro, onde ele apresenta o programa Estação Nordestina. Jardilina chegou até Francisco, no dia 17 de janeiro deste ano. Ela havia chegado ao Rio em dezembro, onde passou o Natal na companhia dos netos. O programa de Francisco tem sido uma grande ferramenta de ajuda aos paraibanos e foi através dele que a ONG conseguiu promover o primeiro retorno de paraibanos para a sua terra.
Para conseguir as passagens da família, Francisco e os demais integrantes do PASParaíba fizeram doações e iniciaram uma campanha pedindo nas ruas donativos que dessem para comprar as passagens. A arrecadação não foi dentro do esperado e o próprio Francisco teve que cobrir o valor necessário. A família embarcou na rodoviária carioca no dia 4 de março e chegou em João Pessoa, na sexta-feira, dia 6, por volta do meio-dia. A chegada no terminal foi marcada por emoção que contagiou a todos, até mesmo os visitantes.
Uma Kombi foi enviada pelo prefeito Jota Júnior, de Bayeux, após a coordenação do equipe do PASParaíba ter contatado o político, pedindo apoio, o que foi prontamente atendido. Para receber a família em João Pessoa, a coordenação da ONG recebeu também o apoio do prefeito de Fagundes, Gilberto Dantas, terra de origem Francisco Silva. A Prefeitura de Fagundes contribuiu cedendo um veículo para ficar à disposição dos integrantes da entidade, até que a família de dona Jardilina estivesse instalada em casa.
O coordenador do PAS acompanhou a família por todo o trajeto até Bayeux para se certificar se a família chegaria bem e se não estaria precisando de mais alguma ajuda. Na despedida, muita emoção da dona de casa, que agradeceu a Deus por ter encontrado em seu caminho uma pessoa tão generosa e disposta a ajudar seus conterrâneos, como Francisco Silva, que tem se dedicado a ajudar pessoas de sua terra, que moram no Rio e passam por dificuldades. “Para nós, que fazemos o Projeto Ação Solidária por Amor à Paraíba, o mais gratificante é sentir esta emoção: a de promover ajuda a quem realmente precisa e sentir nos olhos das pessoas a gratidão estampada!”, declarou Francisco.


10.03.2009 - Mural de Recados da site tem limite de acesso ultrapassado


O Mural de Recados que funciona no site do PASParaíba (www.pasparaiba.org) teve o seu limite de acesso ultrapassado na semana passada. Em média, mais de 600 pessoas estão acessando o site diariamente e muitas delas aproveitam para deixar seus recados, tanto direcionados à coordenação da entidade, como à equipe responsável pela programação, notícias e atualização do sitio.
Apesar de ainda estar sendo concluído em algumas partes, o site tem alcançado grandes espaços e atraído cada vez mais internautas. São paraibanos, pernambucanos, alagoanos, cariocas, mineiros, enfim, gente de toda parte do País. Várias pessoas têm deixado recados para familiares que moram distantes, especialmente na Paraíba e Rio de Janeiro, e elogiado o coordenador do PAS, Francisco Silva, pela iniciativa.
Uma das ferramentas usadas para atrair os internautas tem sido também a Rádio PAS, uma rádio web, que por enquanto, conta apenas com um programa à noite, apresentado também, por Francisco Silva, cujo nome é Estação Nordestina, o mesmo nome do programa que ele apresenta na Rádio Comunitária Educativa 90,9 FM, em Rio das Pedras/RJ.
Os responsáveis pela programação e design do site, respectivamente, Jessé de Oliveira e Mozart Araújo Santos, ficaram surpresos pelo acesso alto e alegaram que as mudanças no novo layout, além da divulgação através de prospectos e outros informes, tem feito a diferença e contribuído muito para que o canal se torne um espaço de interação entre pessoas que estão em diversas partes do País.
“Assim podemos oferecer um serviço de utilidade pública ou de buscas de pessoas, que famílias de todo o Nordeste, em especial a Paraíba, perderam o contato há muitos anos”, declarou Mozart.


10.03.2009 - Jornal vai divulgar tradições paraibanas no Sul e Sudeste do Brasil


Em breve, pessoas no Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e outros estados do Sul e Sudeste do Brasil, assim também como o Centro-Oeste, poderão folhear páginas de um jornal com foco exclusivo para a divulgação das tradições, cultura, turismo, desenvolvimento tecnológico e outros assuntos pertinentes à Paraíba. Com oito páginas, no tamanho tablóide, o periódico que terá o nome Paraíba em Foco, será mais uma ferramenta do PASParaíba para difundir nosso Estado, mostrando suas belezas e riquezas, no intuito de eliminar a imagem que, por motivos inaceitáveis, ele tem obtido dos moradores dessas regiões.
Como alega Francisco Silva, a Paraíba é um estado rico no aspecto ambiental, com locais muito bonitos para se visitar e proporcionar muito bem-estar aos visitantes. Cidade, como Campina Grande, é reconhecida como ‘cidade universitária’, pólo tecnológico e ainda grande exportadora de mão-de-obra de qualidade, formada nas universidades que nela existe. São duas públicas (UFCG e UEPB) e inúmeras particulares, que têm atraído estudantes de todo o Brasil para os inúmeros cursos de bacharelado e licenciaturas oferecidos.
Nas instituições públicas há convênios com países africanos de língua portuguesa, os quais trazem alunos de Guiné-Bissau e Cabo Verde para concluir cursos em várias áreas. O mesmo acontece com a UFPB em João Pessoa, cidade onde o sol nasce primeiro, por causa da Ponta do Seixas. A universidade é um campo vasto e com muitos cursos de pós-graduação, assim como a UFCG.
Na Paraíba existem ainda outras cidades de grande influência histórica e turística, a exemplo de Areia, no Brejo, onde nasceu o romancista e poeta Pedro Américo, e Cabaceiras, no Cariri, conhecida como a hollywood nordestina, por já ter sido palco das filmagens da série e filme O Auto da Compadecida e A Pedra do Reino, do escritor paraibano Ariano Suassuna.
“Enfim, o Estado tem muito o que ser divulgado. As pessoas lá fora precisam saber o que temos de melhor e não precisam continuar com a idéia de que na nossa terra só existe pobreza e pessoas sem destaque. Nós pretendemos com esse jornal, divulgar tudo o que essa gente não sabe, mas que certamente precisa tomar conhecimento”, comenta Francisco Silva. O único problema, como alega o coordenador da ONG, é a falta de recursos para colocar o jornal nas ruas.
“Convocamos toda a sociedade paraibanas, sobretudo a classe política e empresarial, a nos ajudar a executar este tão importante projeto, pois, ele servirá para divulgar a terra deles também e o retorno pode ser muito maior do que uma simples contribuição financeira. Uma vez que o Paraíba em Foco terá divulgação ampla no Sul e Sudeste do Brasil”, finalizou. Outra cidade onde o jornal será distribuído será Brasília, tudo com o apoio de integrantes e simpatizantes do Projeto Ação Solidária por Amor à Paraíba.


02.03.2009 - PASParaíba faz campanha no Rio de Janeiro e consegue trazer família de volta para a Paraíba


Migrar de um lugar para o outro faz parte do ser humano, buscando a melhoria para uma vida mais digna. Muitos sem conhecimento das metrópoles migram e sofrem ao chegar nela. Ao se depararem com a realidade, alguns tentam a todo custo retornar à suas terra, mesmo tendo passado um bom tempo de batalha nas grandes cidades do Sudeste do Brasil. No Rio de Janeiro, a situação dos paraibanos não é diferente e, muitos deles, sempre acabam almejando a vota pra casa, mas as condições acabam por impedir a realização desses sonhos.
O jeito então, é apelar para a ajuda alheia. Criado com o intuito de ajudar os paraibanos e a difusão da cultura paraibana, o projeto Por Amor à Paraíba (PASParaíba), com sede no Rio de Janeiro, começou a trabalhar com esse propósito. Além de ajudar os conterrâneos em situações precárias no Sudeste, especialmente os que passam por calamidades e/ou são vítimas de catástrofes naturais, a ONG decidiu ampliar o leque de ações e partiu para ajudar pessoas, cujo interesse é rever seus parentes e voltar para seus lares de origem.
Entre tantas ações desenvolvidas pelo PASParaíba, existe o programa Estação Nordestina, apresentado pelo coordenador do projeto, Francisco Silva e José Gonçalo, na rádio RP Noticias Comunitária Educativa, 90,9 FM, localizada em Rio das Pedras - zona oeste do Rio de Janeiro. O programa tem sido uma grande ferramenta de ajuda aos paraibanos e foi através dele que a ONG conseguiu promover o primeiro retorno de paraibanos para a sua terra.
No dia 17 de janeiro deste ano, segundo conta Francisco Silva, a direção do programa foi procurada pela senhora Jardilina de Souza Lima, que buscava ajuda para retornar para a cidade de Bayeux-PB. Ela viajou para o Rio de janeiro com a intenção de resolver uns problemas de documentação de uma filha falecida e aproveitar para rever parentes. Só que chegando lá, as condições para retornar foram difíceis.
Como não tinha como voltar, Jardilina ficou na comunidade de Rio das Pedras, em Jacarepaguá (RJ). Ao tomar conhecimento do trabalho da ONG, ela decidiu procurar por Francisco e durante um encontro na rádio, onde ele apresentava o programa Estação Nordestina, ela solicitou três passagens, sendo uma para ela e duas para seus dois netos (gêmeos), Rogério de Souza Santos e Rodrigo de Souza Santos, de 11 anos.
CAMPANHA
Para conseguir as passagens da família, Francisco e os demais integrantes do PasParaíba fizeram doações e iniciaram uma campanha pedindo nas ruas donativos que dessem para comprar as passagens dos três parentes. A arrecadação não foi dentro do esperado e o próprio Francisco teve que cobrir o valor necessário. A viagem da família está marcada para o dia 4 de março (quarta-feira), às 14 horas, da Rodoviária Novo Rio, sendo previsto a chegada para o dia 6, pela manhã, no Terminal Rodoviário de Passageiros, em João pessoa.


02.03.2009 - Programa Estação Nordestina ganha prêmio na Cidade Maravilhosa


O programa Estação Nordestina, do Projeto Ação Solidária Por Amor à Paraíba (PasParaíba), que vai ao ar todos os sábados das 12 às 14 horas, na Rádio Comunitária Educativa 90,9 FM, em Rio das Pedras (Jacarepaguá/RJ), recebeu em fevereiro passado, um prêmio denominado “Os Melhores Forrozeiros de Jacarepaguá no Rio de Janeiro”.
Por tocar forró e trazer o que tem de melhor no Nordeste e ajudar nordestinos que passam por dificuldades nas comunidades de Rio das Pedras, o programa foi considerado como um instrumento de apoio à cultura nordestina e ferramenta de ajuda aos paraibanos que necessitam de ajuda.
A premiação aconteceu no Fortaleza Gril e foi apresentado pelo Professor Carlos, e pela modelo e atriz, Solange Gomes, que durante anos, foi a musa da banheira do programa Domingo Legal, de Augusto Liberato (GUGU). Ao lado do marido, Marcelo Tadeu, a atriz chamou ao palco para receber o prêmio, o idealizador do PASParaiba, Francisco Silva.
Também receberam os prêmios, Adriano Rocha, por apresentar o melhor programa de notícias do Nordeste no Estação Nordestina, além de outros participantes. Para Francisco Silva, a premiação representou muito, não só para ele, mas para todos os paraibanos que vivem no Sudeste brasileiro passando por muitas dificuldades para conquistar um espaço de trabalho, reconhecimento e respeito.
“Dedico este prêmio, a todos os conterrâneos que fazem do dia-a-dia numa cidade como o Rio de Janeiro, uma batalha de sobrevivência para receber o reconhecimento merecido e continuar lutando por uma vida mais digna”, declarou. O prêmio acontece todos os anos e é oferecido a programas que atuam com o propósito voltado a algum tipo contribuição social.

Redação
PASParaíba 

 

 

02.03.2009 - Trabalho social de porteiro do Jardim Oceânico realiza sonho de ajudar sua cidade natal, no Nordeste

 

Francisco colhe os frutos do trabalho com ação que já é conhecida pelos moradores da região

 

Por Paula Dias e Marcelo Piu  

 

 

Quem olha para ele imagina que é apenas mais um porteiro de um dos inúmeros prédios da Barra da Tijuca. Mas, por trás do ofício que Francisco Pereira da Silva executa há 11 anos num edifício do Jardim Oceânico, há um trabalho social capaz de mobilizar uma comunidade inteira. Há dois meses o paraibano de 37 anos - nascido em Fagundes, a 28 quilômetros de Campina Grande - junta latinhas e garrafas plásticas para revender. O objetivo é arrecadar dinheiro para investir no potencial turístico de sua cidade natal.

“Vim para o Rio em 1988, mas nunca esqueci minhas origens. O município de Fagundes é bonito por natureza e precisa apenas de investimentos para crescer”, diz Francisco. A iniciativa foi tomando forma e ganhando adeptos aos poucos. Hoje, um grupo de 12 porteiros nordestinos, que também trabalham na Barra, colaboram com o recolhimento de latinhas e garrafas PET. Para profissionalizar a ação, Chico batizou a cooperativa de Ação Solidária por Amor à Paraíba.

“Com o dinheiro das latinhas pretendo trazer produtos típicos da minha terra para serem revendidos aqui no Rio. Há muitos artesãos no Nordeste esperando uma oportunidade para divulgar seus trabalhos. Acredito que dessa forma será possível chamar a atenção dos cariocas e dos estrangeiros para a minha cidade”, explica o paraibano.

Apesar de o projeto ainda estar no início, Chico já pensa grande. Além de trazer produtos nordestinos para revender no Rio, ele já planeja investir em infra-estrutura para melhorar o turismo na cidade onde morou até os 23 anos. Mesmo distante, o porteiro já firmou parcerias com a Prefeitura de Fagundes para pôr suas idéias em prática. Uma delas é a instalação de dez latas de lixo ao redor da Pedra de Santo Antônio, na Serra de Bodopitá.

            “A Pedra tem um grande potencial para o turismo religioso. É um local de peregrinação e fé. Os visitantes caminham um quilômetro até ali e depois atravessam uma fenda estreita na esperança de ter alguns pedidos atendidos pelo santo”, conta.

O porteiro lamenta que o ponto turístico venha sendo ameaçado pelo desmatamento e pela expansão de favelas. Ele até pensa em retornar à cidade para acompanhar os problemas de perto, mas garante que só arruma as malas para voltar quando tiver certeza de que a cooperativa de latinhas tem condições de funcionar na sua ausência.

            “Apesar de ter enfrentado muitas dificuldades na Paraíba, sempre tive orgulho da minha terra. É um dever meu, como cidadão, colaborar para a obtenção de melhorias para a minha cidade”, observa Francisco. E como se não bastasse levantar fundos para desenvolver projetos, Chico ainda criou um hino e uma oração para homenagear a cidade de apenas 14 mil habitantes. Ambos estão registrados, respectivamente, na Escola de Música da UFRJ e na Biblioteca Nacional.

            “No início fui taxado de maluco. Até hoje encontro muitas pessoas que abandonaram tudo no Nordeste para tentar a vida no Rio, e, mesmo infelizes, não pensam em retornar. Mas, aos poucos, consegui contagiar amigos que, como eu, querem preservar suas raízes. Acredito que é possível realizar coisas boas quando realmente acreditamos numa causa”, conclui.

 

Fonte: Jornal do Brasil Online (publicado em 24.02.2005 e reproduzido para o site)

 

 

01/08/2009 Ações do PASParaíba na Paraíba

 

Jornalista Edimilson Camilo da Silva

O PASParaíba – Projeto Ação Solidária por Amor a Paraíba, que atua no Rio de Janeiro divulgando a cultura e a tradição paraibana também realiza ação solidária em beneficio de paraibanos e pessoas necessitadas.
Francisco Silva, autor do projeto, está de férias em Fagundes e em nome do projeto PASParaiba fez a doação de uma lixeira para o Parque Ecológico Pedra de Santo Antônio e doou um microcomputador usado para a Associação de Moradores do Sitio Cachoeira Grande, município de Aroeiras.
“Pode parecer pouca coisa a doação de apenas uma lixeira e de um microcomputador, mas é o primeiro passo. Se alguém não der esse primeiro passa não terá inicio a caminhada. Esperamos poder contribuir mais para as cidades da Paraíba e para os paraibanos que moram no Rio de Janeiro”, afirmou Francisco Silva.
“Quando vier algum integrante do projeto a Paraíba pretendemos doar um microcomputador para o sítio Mãe Joana”, acrescentou Silva.

O projeto também ajudou os paraibanos em Rio das Pedras quando houve um incêndio que destruiu vários barracos. Ajudou também à senhora Cristina Marques a retornar ao Sitio Juá de Aroeiras doando a passagem.
Atualmente o PASParaíba sobrevive da reciclagem de lixo e da ajuda dos próprios integrantes do projeto como Manuel Messias de Queimadas, Francisco Silva de Fagundes, José Gonçalo de Ingá e Vando de Massaranduba”.
Mais informações sobre o projeto e como ajudar ligue:  (21) 9117 2400. Na Internet pelo e-mail: pasparaiba@hotmail.com ou no site www.paspariba.org

 

Jornal de Fagundes - PB, matéria publicada em 22/01/2007

 

 


 

 

 

 Copyright© 2009 - Todos os direitos reservados - Projeto Ação Solidária da Paraíba - PASParaíba  /  Desenvolvido por